terça-feira, 11 de outubro de 2011

Banco de Questões: Escravidão no Brasil

1 – Responder às questões com base nas afirmativas a seguir, sobre o movimento abolicionista no Brasil, na segunda metade do século XIX. 
I. A campanha abolicionista reforçava-se pela pressão antiescravista internacional e pelo fato de o Brasil ser o último país independente a manter a escravidão após 1865.
II. O movimento abolicionista tinha a participação de setores agrários não vinculados à escravidão e das camadas médias urbanas: intelectuais, profissionais liberais e estudantes universitários.
III. Importantes setores do abolicionismo viam a necessidade de serem criados meios de integração dos negros à sociedade na condição de trabalhadores assalariados após a abolição. 

Pela análise das afirmativas, conclui-se que:
a)     Apenas a I está correta.
b)     Apenas a III está correta.
c)     Apenas a I e a II estão corretas.
d)     Apenas a II e a III estão corretas.
e)     A I, a II e a III estão corretas.

Resposta: E

2 - O Bill Aberdeem, aprovado pelo Parlamento inglês em 1845, foi: 
a) uma lei que abolia a escravidão nas colônias inglesas do Caribe e da África. 
b) uma lei que autorizava a marinha inglesa a apresar navios negreiros em qualquer parte do oceano. 
c) um tratado pelo qual o governo brasileiro privilegiava a importação de mercadorias britânicas. 
d) uma imposição legal de libertação dos recém-nascidos, filhos de mãe escrava. 
e) uma proibição de importação de produtos brasileiros para que não concorressem com os das colônias antilhanas.

Resposta: B

3  - Em 1997 o Brasil comemorou 150 anos de nascimento de Castro Alves, um poeta baiano, cujos versos simbolizam a luta pela liberdade e contra a escravidão. Com relação à escravidão e à estrutura social no Brasil, é incorreto afirmar que: (05)
a) Houve um processo gradual de abolição da escravidão a partir de 1850 com o fim do tráfico negreiro;
b) A mão-de-obra escrava representava a base de sustentação da economia colonial e também do Império;
c) Havia um grande contingente de homens livres e pobres vivendo sob a dependência dos grandes senhores de terra;
d) A abolição da escravidão foi precedida de medidas restringindo o acesso à terra e ao direito de voto;
e) A abolição da escravidão em maio de 1888 foi precedida de uma ampla discussão na sociedade, bem corno da adoção de medidas no sentido de incorporar os futuros libertos à estrutura econômica, social e política nacional.

Resposta: E

4 - No século XIX, a imigração européia para o Brasil foi um processo ligado:
a) a uma política oficial e deliberada de povoamento, desejosa de fixar contingentes brancos em áreas estratégicas e atendeu grupos de proprietários na obtenção de mão-de-obra.
b) a uma política organizada pelos abolicionistas para substituir paulatinamente a mão-de-obra escrava das regiões cafeeiras e evitar a escravização em novas áreas de povoamento no sul do país.
c) às políticas militares, estabelecidas desde D. João VI, para a ocupação das fronteiras do sul e para a constituição de propriedades de criação de gado destinadas à exportação de charque.
d) à política do Partido Liberal para atrair novos grupos europeus para as áreas agrícolas e implantou um meio alternativo de produção, baseado em minifúndios.

Resposta: A

5 - "O negro não só é o trabalhador dos campos, mas também o mecânico, não só racha a lenha e vai buscar água, mas também, com a habilidade de suas mãos, contribui para fabricar os luxos da vida civilizada. O brasileiro usa-o em todas as ocasiões e de todos os modos possíveis..." (Thomaz Nelson - 1846) Com relação à utilização do trabalho escravo na economia brasileira do século XIX, é correto afirmar:
a) com a independência de 1822, a sociedade escravista se modificou profundamente, abrindo espaços para uma produção industrial voltada para o mercado interno.
b) a utilização do negro africano na economia colonial brasileira gerou um grande conflito entre os vários proprietários de terras que mantinham o monopólio de utilização do braço indígena.
c) devido a sua indolência e incapacidade física, o índio brasileiro não se adaptou ao trabalho escravo.
d) a utilização de ferramentas e máquinas foi muito restrita na sociedade escravista; com isso, o escravo negro foi o elemento principal de toda a atividade produtiva colonial.
e) a abolição da escravidão, em 1888, deve-se principalmente à resistência dos escravos nos quilombos e às idéias abolicionistas dos setores mercantis.

Resposta: D

6 - As Leis Abolicionistas, a partir de 1850, podem ser consideradas como o nível político da crise geral da escravidão no Brasil, porque:
a) a Lei Eusébio de Queiroz (1850) proibiu o tráfico quando a necessidade de escravos já era declinante, face à crise da lavoura.
b) o sucesso das experiências de parceria acelerou a emancipação dos escravos, crescendo um mercado de mão-de-obra livre no país.
c) a Lei do Ventre Livre (1871) representou uma vitória expressiva do movimento abolicionista, tornando irreversível o fim da escravidão.
d) as sucessivas leis emancipacionistas foram paralelas à progressiva substituição do trabalho escravo por homens livres.
e) a Lei Áurea, iniciativa da própria Coroa, visava a garantir a estabilidade e o apoio dos setores rurais ao Império.
Resposta: D

7 - A escravidão indígena adotada no início da colonização do Brasil foi progressivamente abandonada e substituída pela africana entre outros motivos, devido:
a) ao constante empenho do papado na defesa dos índios contra os colonos.
b) à bem-sucedida campanha dos jesuítas em favor dos índios.
c) à completa incapacidade dos índios para o trabalho.
d) aos grandes lucros proporcionados pelo tráfico negreiro aos capitais particulares e à Coroa.
e) ao desejo manifestado pelos negros de emigrarem para o Brasil em busca de trabalho.

Resposta: D

8 – A Lei Bill Aberdeen, aprovada pelo parlamento da Inglaterra em 1845, estabelecia:
a) direito de apresamento dos navios negreiros.
b) extinção da escravidão no Império Britânico.
c) abolição da discriminação racial.
d) Intervenção nos países escravocratas.

Resposta: A

9 - O Segundo Reinado, preso ao seu contexto histórico, não foi capaz de dar resposta às novas exigências de mudanças. Quando se analisa a desagregação da ordem monárquica imperial brasileira, percebe-se que ela se relacionou principalmente com a:
a) estrutura federativa vigente e a conspiração tutelada pelo exército.
b) bandeira do socialismo levantada pelos positivistas.
c) eliminação da discriminação entre brancos e negros.
d) forte diferenciação ideológica entre os partidos políticos.
e) abolição da escravidão e o desinteresse das elites agrárias com a sorte do Trono.

Resposta: A

9 comentários:

  1. O segundo reinado não tinha uma estrutura FEDERATIVA, pelo contrario sua estrutura era centralista. Penso que a alternativa (A) não é a correta.

    ResponderExcluir
  2. Penso que seria a letra E, em relação à questão de número 9.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A resposta correta é com certeza a letra A...o texto fala sobre o contexto republicano já existente no período abordado e foi esse contexto que impulsionou a desestruturação do governo monárquico e não que o republicanismo existisse no Brasil.

      Excluir
    2. a questão trata do final do segundo reinado

      Excluir
  3. Entendo o pq não pode ser A, mas com movimentos abolicionista ela também não teria relação com as elites agrárias.

    ResponderExcluir
  4. Entendo o pq não pode ser A, mas com movimentos abolicionista ela também não teria relação com as elites agrárias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro que teria. Um dos pilares da monarquia era a elite agrária, que defendia a escravidão. Com o fim da escravidão, as elites agrárias tiveram um motivo a menos para apoiarem a monarquia, que se viu cada vez mais isolada. Apostou na figura da Princesa Isabel como grande redentora, mas tal propaganda só acirrou ainda mais a antipatia dos donos de escravos.

      Excluir
  5. Muito obrigado ae viado, voce me ajudou pa karalho a passar d ano, é nois cuza1

    ResponderExcluir