quarta-feira, 27 de abril de 2011

Banco de Questões: Período Regencial

01.      Como ministro da justiça, os Regentes escolheram o padre Diogo Antônio Feijó que, logo no início do seu mandato, criou a guarda nacional. Sobre ela só não é correto afirmar que:        

            foi uma milícia armada dirigida por brasileiros abastados;
            passou a ser o principal instrumento do governo para reprimir os levantes populares;
            fortaleceu o exército, pois se uniu a ele para manter a ordem;
            o comando da Guerra Nacional em cada município cabia aos coronéis, grandes fazendeiros.
Resposta: letra C

02.      No Brasil regencial, observa-se a presença de três tendências políticas, a saber, exceto

            os restauradores; defendiam a volta de D. Pedro I ao governo do Brasil, favoráveis ao absolutismo monárquico;
            os liberais exaltados; defendiam a autonomia das províncias e a descentralização do poder imperial;
            os proprietários rurais, membros de classes médias urbanas e do exército que defendiam a monarquia; eram conhecidos como farroupilhas;
            os liberais moderados defendiam a ordem existente, especialmente a monarquia e a escravidão.
Resposta: letra C



              03.  No que diz respeito ao Período Regencial assinale V ou F.

(    )     O “Ato Adicional” de 1834 pode ser encarado como fruto do  predomínio dos liberais que advogavam uma relativa descentralização política e administrativa.
(    )     As revoltas ocorridas no Período Regencial, apesar das diferenças, tinham um ponto em comum, ou seja, a luta pela emancipação da maioridade de Pedro II, fato que, mesmo com toda a repressão, terminou por concretizar-se, pondo fim às regências.
(    )     O “Golpe da Maioridade” pode ser considerado uma iniciativa dos liberais que, interessados em “parar o carro do regresso”, terminaram por colocar um ponto final nas regências dando início ao Segundo Reinado.
(    )     As regências que governaram o Brasil de 1831 a 1840 justificam-se em função da abdicação de Pedro I e da falta de apoio político ao jovem imperador D. Pedro de Alcântara, futuro D. Pedro II, acusado pelas oposições de não ter experiência suficiente para assumir o governo.

Resposta: V / F / V / F

Escolha uma das opções (ou a opção) que você considerou falsa e reelabore-a tornando-a verdadeira.
ATENÇÃO: Você não vai explicar o que está errado como na questão 3. Você vai reescrever a frase eliminando os erros históricos e colocando-a de acordo com a matéria estudada.
Resposta: O ponto em comum entre  as revoltas regenciais foi a oposição  ao governo regencial. / A regência justificam-se em função da abdicação de Pedro I e da menoridade de Pedro II.

04. Aponte qual era a principal questão que deu início às rebeliões regenciais: 
a) O interesse das províncias em promover o retorno de D. Pedro I ao poder.
b) A exigência popular em tornar o Brasil independente de Portugal.
c) Disputas políticas entre as elites  e as condições de pobreza da maior parte dos brasileiros.
d) A tentativa portuguesa em restabelecer o seu monopólio colonial sobre o Brasil.
 Resposta: letra C

05. Qual desses movimentos revoltosos não ocorreu durante o Período Regencial: 
a) Cabanagem      b) Balaiada     c) Sabinada             d) Conjuração Baiana  e) Guerra dos Farrapos.
 Resposta: letra D

06. A criação da Guarda Nacional, em 1831, durante o governo regencial, teve como um de seus objetivos. 
a) Apoiar o governo de Pedro I na consolidação da independência.
b) defender a integridade das fronteiras ameaçadas de invasão
c) Conter as agitações e amotinações que ameaçavam a Nação
d) Combater a influência da aristocracia rural na vida política. 

 Resposta: letra C

07. A Confederação do Equador, movimento que eclodiu em Pernambuco em julho de 1824, caracterizou-se por: 
a) ser um movimento contrário às medidas da Corte portuguesa, que visava favorecer o monopólio do comércio.
b) uma oposição a medidas centralizadoras e absolutistas do Primeiro Reinado, sendo um movimento republicano.
c) garantir a integridade do território brasileiro e a centralização administrativa.
d) ser um movimento contrário à maçonaria, clero e demais associações absolutistas.
e) levar seu principal líder, Frei Joaquim do Amor Divino Caneca, à liderança da Constituinte de 1824.
Resposta: letra B

08. O período regencial no Brasil (1830-1840) foi um dos mais agitados da história política do país. Foram questões centrais do debate político que marcaram esse período, EXCETO:
a) a questão do grau de autonomia das províncias.
b) a preocupação com a unidade territorial brasileira.
c) os temas da centralização e descentralização do poder.
d) o acirramento das discussões sobre o processo abolicionista.
Resposta: letra D

 09.  Efetivamente, antes da aurora do dia 7 de abril de 1831, era o trono do Brasil entregue a D. Pedro II, sucessor de seu pai; e o novo soberano, menino de cinco anos, comovendo-se ao acordar, com o extraordinário movimento que observava em torno de si, reclamava inquietamente, a presença do pai, mas este há já algumas horas o abandonara para sempre”.
O fato referido no texto acima precipitou o Brasil em uma das mais agitadas fases de nossa vida política, marcada pelos acontecimentos abaixo, EXCETO um. Assinale-o: (05)
a) O Brasil viveu uma espécie de mini-república, o poder executivo chegou a ser eleito pelo voto direto e censitário.
b) substituição da Constituição de 1824, outorgada por D.Pedro I, por outra mais adequada aos interesses da aristocracia agrária que, nesse momento, atingia finalmente o poder.
c) eclosão de conflitos em diversas regiões do país, tornando-se necessária, em varias ocasiões, a intervenção armada do governo central.
d) eleição de três regentes que assumiram o Poder Executivo, representando o imperador, permanecendo os poderes legislativo e judiciário sem grandes alterações, pelo menos nos primeiros anos daquele período.
Resposta: letra D

4 comentários:

  1. Parabéns pelo belo trabalho. Ajudou muito em meus estudos.

    ResponderExcluir
  2. A questão 5 está errada, uma vez que Farrapos começou sim durante a Regência, apesar que ter acabado já durante o segundo reinado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. na questão 5 diz que o movimento que não ocorreu no período regencial foi a conjuração baiana letra D, confira.

      Excluir
    2. Pessoa a camila ferreira tem razão. A conjuração baiana aconteceu em uma data próxima a Inconfidencia mineira , ou seja, bem antes de D. Pedro declarar a independencia do Brasil.

      Excluir